Relatório anual mostra que 74% das situações de violência são continuadas e a maioria acontece entre o casal

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) detectou 419 casos de vítimas que suportaram agressões durante mais de 20 anos. Segundo relatório anual de 2013, divulgado ontem, 10% do total das vítimas que recorreram à associação aguentaram situações de violência mais de 12 anos. A maioria dos crimes reportados (74%) foram, aliás, considerados continuados.

 

Em 2013, o número de pessoas que pediram ajuda à APAV subiu 63%. No ano anterior tinham sido atendidas cerca de 22 700 vítimas de crimes, mas o número ultrapassou os 37 200 atendimentos em 2013 – o que representa um aumento de 15 mil situações reportadas.

De acordo com a associação, a crise económica e social poderá explicar a subida. “O actual contexto de dificuldades financeiras e sociais revela, a cada dia que passa, um crescente empobrecimento da população portuguesa”, começa por explicar José Duque, da APAV. A crise tem desencadeado, por exemplo, mais casos de violência conjugal ou em contexto familiar. “As dificuldades económicas levam a que casais separados continuem a coabitar no mesmo espaço e que várias gerações da mesma família ocupem uma só casa, o que agudiza os conflitos”, exemplifica José Duque.

As estatísticas comprovam-no. Em 2012 foram reportadas à APAV 16 970 situações relacionadas com violência doméstica, enquanto no ano passado o número já foi de 17 384. Também os crimes cometidos na residência comum do agressor e da vítima conheceram uma subida, de 4077 casos em 2012 para 5507 o ano passado. Por outro lado, a percentagem de crimes cometidos pelo cônjuge da vítima aumentou 4% e os perpetrados por companheiros subiu 11%. Do total de 20 642 crimes reportados à APAV no ano passado, mais de 80% estiveram relacionados com situações de violência doméstica.

SILÊNCIO Apesar de os números do último relatório serem “expressivos”, a APAV admite que muitas vítimas continuam a não procurar ajuda. “Com receio de não terem condições económicas para sobreviver fora de um agregado familiar violento”, sublinha José Duque. As estatísticas mostram que quase metade das vítimas (44%) que recorrem à associação admitem não ter apresentado queixa às autoridades. “Nós incentivamos sempre a apresentação de queixa, pois acreditamos que a justiça está ao serviço das pessoas, mas muitas vítimas têm medo de represálias e preferem primeiro zelar pela sua segurança”, explica a associação.

Jornal i

Fonte | http://www.ionline.pt/artigos/portugal/uma-cada-dez-vitimas-suporta-mais-12-anos-violencia

Poderá também gostar de:Poderá também gostar de: