Fortalecer o cérebro enquanto joga videojogos

O primeiro videojogo foi criado em meados da década de 1950 por cientistas.

Ao longo dos anos, várias mudanças e desenvolvimentos têm acontecido para fazer da indústria dos videojogos a maior em termos de diversão no mundo.

Os jogos tornaram-se parte da vida das pessoas, com empresas como a Betway e com isso muitas entidades viram a possibilidade de usar esta ferramenta não só para diversão pura e simples, mas também como uma forma de aprender.

Hoje, várias empresas lançam jogos com testes de QI, lógica e muitos outros tópicos que visam medir a educação e inteligência dos jogadores, mas, além destes testes diretos, é possível verificar que muitos outros jogos, mesmo que não tenham esse objetivo, melhoram o cérebro dos seus utilizadores enquanto jogam. Por exemplo, os jogos que permitem ao utilizador tomar decisões, como o RPG, reforçam a área do lóbulo frontal, que junto ao sistema límbico, lida com emoções. Outro exemplo são os jogos que requerem uma visão geral da direção, que pode ativar todo o cérebro em necessidades urgentes de mais precisão.Outra parte do cérebro que é ativada em muitos jogos é a parte ligada à criatividade. A explicação mais básica pode ocorrer com jogos de decoração, que precisam da perceção de um utilizador de cores e texturas.

Estes jogos também iluminam a parte relacionada com habilidades motoras finas quando estão relacionadas com pinturas pequenas e precisas.A memória também é ativada em muitos jogos, direta ou indiretamente. Alguns jogos pedem aos seus clientes que regressem ao ecrã passado algum tempo para seguir em frente com a história ou com alguma ação que não é feita de imediato. Isto ativa indiretamente a memória do jogador, que deve usar o cérebro para voltar a uma parte da história previamente vista. Ainda sobre jogos chamados “Segunda Vida”, os utilizadores precisam de lidar com a emoção não só das bonecas comandadas por eles, mas também da emoção gerada por este tipo de jogo, como ansiedade ou felicidade. Muitos jogos em casinos como Betway também podem inflamar o lado emocional do cérebro, aumentando a sensibilidade e perceção.

Os testes realizados pela Charité University Medicine St. Hedwig-Krankenhaus mostram que várias áreas são positivamente afetadas quando os jogadores entram em contacto constante com jogos que os desafiam.As funções cognitivas das pessoas que participaram neste estudo e jogaram durante o mesmo desenvolveram-se mais em relação a pessoas que não jogaram videojogos, mostrando que sim, embora muitos pensem o contrário, os videojogos podem ajudar com várias partes diferentes do cérebro. Outra ideia interessante é que muitos dos videojogos trazem uma certa cultura às pessoas, uma vez que podem mostrar diferentes culturas e realidades daqueles que são experimentados pelos jogadores. Por exemplo, muitas pessoas hoje em dia conhecem as culturas asiáticas através dos jogos, apesar de nunca terem experimentado esta cultura antes, pessoalmente.

A possibilidade de fortalecer o cérebro usando videojogos já é uma realidade mundial, sendo amplamente utilizada em várias empresas que aprovam o uso de consolas para que os seus colaboradores possam usar enquanto pensam em projetos ou procuram ideias criativas.

Poderá também gostar de:Poderá também gostar de: